Pesquisar neste blog

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Ortografia – os porquês


A foto foi enviada por Yonara Santana (e retalhada por mim, rs). Ela acertadamente suspeitou do erro...

Vale lembrar os casos dos porquês:

1. Por que (separado e sem acento) é usado em dois casos. Quando equivale às expressões “pelo(a) qual”, “pelos(as) quais”: “São lindos os caminhos por que (= pelos quais) passei”. E quando equivale a “por que razão”, “por qual razão”: “Por que (= por que razão) não temos uma sociedade mais justa?”.

2. Porque (junto e sem acento) introduz explicação ou causa do que se afirma: “Vou porque estou animada”.

Importante: não é a presença do ponto de interrogação que decide se é junto ou separado. Em “Você não foi porque estava doente?”, o que se pergunta não é por que a pessoa estava doente, mas, sim, se a doença foi o motivo da ausência.

3. Por quê (separado e com acento) é usado quando a oração termina com essa palavra: “Ele fez isso por quê?”; “Ele não vai, e não sei por quê”. É separado porque equivale a “por qual razão” (“Ele fez isso por qual razão?”). O “quê”, sendo um monossílabo tônico terminado em “e”, é acentuado.

4. Porquê (junto e com acento) é um substantivo e significa “motivo”, “causa”: “Não entendemos o porquê (= o motivo) da demissão dele”.

Voltando ao caso da foto, vemos que aquele "por que" não pode ser substituído por "pelo qual", "por qual razão". Também não é o "por que" da pergunta. Menos ainda "porquê" ou "por quê".

Sobra aquele "porque" que introduz causa ou explicação: Curso da Melhor Idade, porque a gente conhece o valor das suas histórias.

Boa estrutura.

Revisão de texto por Telma Iara.
Porque erros põem em dúvida a qualidade do seu trabalho.

;)